Unidade 1: Mister Shopping 3º Piso
Unidade 2: Av. Rio Branco, 1718 – Centro
Segunda a sexta: 08h às 20h
Sábado: 08h às 12h

Epilepsia infantil: entenda melhor sobre o assunto

Para entender o que é a epilepsia infantil, antes é preciso entender o que é a epilepsia de fato. Milhões de células compõem o nosso cérebro e para se comunicarem e comandarem nossas atividades, pensamentos e sentidos, utilizam sinais elétricos. A epilepsia é justamente essa falha nesta transmissão.

Segundo a Liga Brasileira de Epilepsia (LBE), as convulsões são alterações temporárias e reversíveis da função cerebral. Assim, essas convulsões podem durar de alguns segundos a alguns minutos, podendo ser classificada em dois níveis:

  • Epilepsia parcial: quando uma determinada parte do cérebro emite sinais negativos que podem ser limitados.
  • Epilepsia generalizada: quando a emissão de sinais negativos se espalha para ambos pelos hemisférios cerebrais.

A maior parte dos tipos de epilepsia têm início na infância e costumam se apresentar em crianças de até 5 anos de idade. 

Causas da epilepsia infantil

Entre os pacientes infantis, no entanto, a principal causa da epilepsia são os traumas no parto, que podem desenvolver falta de oxigenação no cérebro e a consequente formação de ferimentos no órgão, alterações metabólicas e outras doenças neurológicas, como a Síndrome de Rett

Existem ainda, outros fatores de risco para o desenvolvimento de uma síndrome epiléptica, como: 

  • Arritmias cardíacas;
  • Histórico familiar;
  • Malformações congênitas;
  • Traumatismo craniano.

Sintomas

Os sintomas da epilepsia variam. Eles dependem de quanto do cérebro é afetado e onde a área afetada está localizada.

Por exemplo, a epilepsia pode aparecer através de um ataque epiléptico, no qual o paciente apresenta crises com a perda da consciência e fortes espasmos musculares. Além disso, ela também pode se caracterizar por crises de ausência, onde o indivíduo não chega a perder a consciência, mas fica parado com o olhar fixo e sem conseguir se comunicar e executar algum movimento. 

Já nas crises parciais simples, o paciente pode perder o controle sobre partes do seu corpo e ter suas percepções sobre os movimentos distorcidas.

Diferentes tipos de síndromes epilépticas

Epilepsia Rolândica

A Epilepsia Rolândica é a mais comum entre as epilepsias infantis. Sua causa ainda não foi cientificamente estabelecida e sua principal característica é provocar crises parciais ou generalizadas durante o sono da criança ou logo que ela acorda.

Síndrome de Doose

É uma síndrome rara e costuma a aparecer mais em crianças do sexo masculino entre os 2 e 5 anos de idades que possuam uma predisposição genética. Sua principal característica é desenvolver crises de tremores nos membros superiores do corpo, seguidos por perda de tônus muscular e quedas.

Síndrome de Rett

É uma síndrome rara que acomete crianças do sexo feminino, causada pela mutação de um gene que se localiza no cromossomo X e é importante no desenvolvimento do cérebro. Seus principais sintomas são as crises epilépticas, a perda dos movimentos e o atraso no desenvolvimento motor.

Síndrome de West

Também bastante rara, esta síndrome aparece em bebês com menos de 1 ano de idade. Sua principal característica são os frequentes espasmos musculares que, se não receberem tratamento adequado, podem evoluir para crises epilépticas mais graves a partir do quinto ano de vida da criança, comprometendo seu desenvolvimento.

Síndrome de Rasmussen

Esta síndrome aparece durante a infância e tem como principal característica as crises epilépticas parciais intratáveis que provocam progressivamente a paralisia de um dos lados do corpo, além de uma grave deterioração intelectual.

Síndrome de Angelman

É um distúrbio neurológico raro, que costuma ser diagnosticado durante os primeiros anos da infância. Além disso, geralmente costuma causar atrasos no desenvolvimento intelectual e motor.

Síndrome de Dravet

Esta síndrome rara costuma aparecer durante o primeiro ano de vida do bebê. e causa crises epilépticas progressivas e de difícil controle e longa duração, acompanhadas de comprometimento nas partes cognitiva e motora do cérebro.

Tratamentos

Os tipos de tratamento para a epilepsia variam de acordo com o tipo desenvolvido pelo paciente. Em geral, os médicos trabalham com o uso de medicamentos que neutralizam o efeito das crises e, quando elas geram comprometimentos no desenvolvimento, o tratamento é compartilhado com equipes multidisciplinares que atuam na reabilitação das funções da criança.

No caso de síndromes que causem epilepsia refratária, que têm difícil controle e não é resolvida com medicamentos, o tratamento deve ser desenvolvido caso a caso, de acordo com o quadro geral do paciente. Alguns podem ser candidatos a uma cirurgia para controle das crises, enquanto outros podem ser indicados para tratamentos menos invasivos, como dietas que controlam a frequência das crises e mesmo outros fármacos, menos convencionais.

Policonsultas

Precisa marcar uma consulta com um médico? A Policonsultas tem uma equipe preparada para cuidar da sua saúde, além de realizar exames na própria clínica. Conheça nosso corpo clínico aqui!

Agende seu atendimento:

Unidade 1: Mister Shopping 3º Piso.
Unidade 2: Av. Rio Branco, 1718 – centro

Deixe um comentário

WhatsApp Agende pelo WhatsApp